Home Dicas Corona Vírus, Viajo ou Não?

Corona Vírus, Viajo ou Não?

por Tuga Viajante
0 Comentar 190 visualizações

Antes de mais, este é um artigo de opinião e só tu e as autoridades podem decidir se deves viajar ou não durante esta situação. Não somos especialistas em saúde no entanto este artigo baseia-se em outros de identidades acreditadas.
Deves ter consciência dos riscos para ti e para os outros, e tomar as devidas decisões e precauções. Não penses só em ti e nas tuas férias, pensa também em quem vais ter contacto quando voltares e nos riscos que estás a colocar essas pessoas. Isto não inviabiliza que viajes, mas que deves ter cuidados extra e que tens que te habituar a uma nova realidade, SEM CEDER AO PÂNICO.
Com isto esclarecido, vamos lá ao que interessa.

O que é o Corona Vírus?

O Corona Vírus faz parte de uma grande família de vírus que causam desde a simples constipação a doenças mais graves como o MERS-CoV e o SARS-CoV. O nome Covid-19 está relacionado com a doença que é causada pelo vírus, sendo que o 19 refere-se a 2019, ano em que foi descoberta.
Provavelmente o nome SARS soa-te familiar, isto porque não é novo, aliás o nome oficial é coronavirus 2 (SARS-CoV-2) “Síndrome Respiratório Agudo Severo”.

O SARS teve origem na China em 2002, depois de uma mutação de um vírus que teve origem em pequenos mamíferos. Nesse ano espalhou-se por vários outros países Asiáticos e também no Reino Unido e com impacto mais significativo em Toronto no Canadá.
Eventualmente a pandemia foi controlada em Julho de 2003, seguindo uma politica de isolamento e controlo de viajantes com sintomas.
Este evento teve 8.098 casos reportados, dos quais resultaram 774 mortes.
Em 2004 houve um pequeno surto causado por um descuido de um investigador que estudava o vírus e que acabou por ser infetado e infetar outras 6 pessoas.

Esta nova evolução do Vírus é nova e de alguma forma, parece propagar-se mais facilmente. Ou por características do mesmo, ou por viajar ser cada vez mais fácil e rápido e com isto a sua propagação.
Existe também desenvolvimentos na investigação que apontam para uma proteína na superfície do vírus que facilita a infecção das células humanas. Este estudo é o no momento que promete melhores resultados.

Há cura para o Covid-19?

Nesta altura não existe nenhuma cura para o Covid-19, apesar de o SARS e o MERS serem conhecidos desde 2002 e na realidade pode nunca existir.
Normalmente temos uma ideia de que uma vacina cura quem está infectado, mas pode não ser o caso. Tal como a gripe e o Influenza, acredito que seja mais provável uma vacina que será distribuída pela população que desenvolve anti corpos de forma ao corpo combater melhor um possível ataque do vírus. E dessa forma não irá curar os já infectados nem é garantido que mesmo com esse tipo de vacina não seja possível ser infectado no futuro.

Devo Viajar?

Esta é a nossa opinião e não te impede a fazeres o que quiseres dentro das leis impostas. No entanto, achamos que é necessário termos atitudes pro-activas para ajudar a conter a propagação deste vírus, sem no entanto parar de viajar.
Viajar, no mundo actual, é essencial para a economia, tanto no turismo como no comercio, industria, medicina, relações internacionais, etc. Fechar as fronteiras, causaria um impacto brutal na economia, não sendo a melhor solução, se não contivermos a propagação, possivelmente será uma atitude a ter.

  • A primeira identidade que deves recorrer, são as autoridades de saúde e de segurança. Se não estiverem restritas as viagens para o teu destino, é o primeiro sim para seguires.
  • Se não tiveres doenças respiratórias, auto imunes, crónicas, diabetes, hipertensão ou a tua idade é inferior a 50 anos, é o segundo sim. Podes viajar com estas condições, mas estarás um correr um risco que poderá ser fatal.
  • Se quando voltares, estiveres inevitavelmente, em contacto com pessoas com debilitações mencionadas no ponto anterior, ou com idades superiores a 50 anos, deves evitar a tua viagem ou ter cuidados extra durante o período de incubação (14 dias) desde que chegas.
  • Se vais com crianças, deves evitar a viagem. Elas são as que têm menos probabilidade de ter um final fatal, no entanto as crianças são mais distraídas quanto às precauções de higiene e a probabilidade de eles serem contagiadas e de contagiar outros é grande. Para além disso, devido ao sistema imunitário forte das mesmas, algumas passam vários dias sem apresentar sintomas, em que podem contagiar outros.
  • Se não estás disposto/a a ter cuidados sanitários extensos durante e depois da tua viagem, não deves seguir.

Cuidados a ter durante e depois da viagem

Seja para onde fores, mesmo para locais com poucos ou nenhuns casos, não deves relaxar em relação aos cuidados extra. Para além de passares em aeroportos em que pessoas de várias proveniências se cruzam, provavelmente estarás num local em que turistas de vários países se passeiam e basta um deles te contagiar.

  • Regista a tua viagem na App “Registo do Viajante”, desta forma as autoridades conseguem localizar-te facilmente em caso de emergência.
  • Faz um seguro de viagem com despesas médicas, para além do cartão de saúde é essencial teres um apoio extra no caso de precisares de assistência médica, repatriamento ou que um familiar vá para te ajudar.
    Por seres nosso leitor, tens um desconto de 5% no seguro, toca na imagem para saberes o valor do teu e as coberturas.
Iati seguros
  • Usa desinfectante e lava as mãos com frequência, especialmente antes de tocares na tua cara, no cabelo, óculos, comer ou fumar ou de manusear dinheiro, cartões e máquinas de uso público. O vírus transmite-se por gotículas expelidas pela boca e nariz e pode ficar vivo em superfícies durante várias horas. Se tocaras na tua cara com as mãos contaminadas, corres um risco sério de seres contagiado/a.
    Não é fácil habituar a isto, não temos fazemos isto no dia a dia e então não é automático. Um bom truque, e até engraçado, é pensares que tudo está coberto com cocó, se passares a mão em alguma coisa e na cara, não vai ser agradável!!!
  • Usa máscara, no aeroporto e em locais que estás com grupos de pessoas, especialmente fechados. Apesar da DGS só recomendar o uso para quem tem sintomas, nós não percebemos a lógica dessa recomendação a não ser para não esgotar stock e disponibilidade para os profissionais de saúde. Nesse caso, são absolutamente uma prioridade.
    O vírus pode permanecer no ar até 30 minutos, desta forma proteges-te e no caso de tu já o teres proteges os outros.
    A máscara deve estar colocada correctamente a cobrir o nariz e a boca, deves lavar ou desinfectar as mãos SEMPRE antes de manusear a máscara. Se contaminares máscara e a colocares, estás a correr riscos maiores. Deves também ter um local reservado e limpo para a guardar, bolso do casaco ou mochila que não entre em contacto com mais nada.
  • Se precisares limpar o nariz, usa lenços de papel e deita a um caixote do lixo, não atires para a rua. Lava ou desinfecta as mãos após o uso.
  • Evita contacto físico com outras pessoas para cumprimentos e etc.
  • Se tiveres sintomas, não vás a um hospital ou centro de saúde, liga para o Saúde 24 ou entidades equivalentes no estrangeiro.
  • Na nossa opinião, deves ter todos estes cuidados mesmo após a tua chegada. Mesmo o uso de máscara, especialmente durante os 14 dias seguintes. É uma forma de travares contagio de outras pessoas se trouxeres o vírus contigo mesmo que não tenhas sintomas.

Conclusão

Na nossa opinião, o vírus está a propagar-se com tanta facilidade na Europa porque temos maus hábitos de higiene. Nos países Asiáticos, muito mais susceptíveis pela proximidade do epicentro, a situação está a ficar controlada especialmente nas zonas mais desenvolvidas. Para além da quarentena. Lá é visto com bons olhos usar máscara mesmo que tenhas uma simples constipação, de forma a não contagiar outras pessoas. O contacto físico é mínimo mesmo nos cumprimentos.

O pânico que se está a criar nas redes sociais, é exagerado e desproporcional. Numa altura em que a economia internacional abrandava, as relações comerciais entre vários países e a China azedava e vários movimentos puxavam para o fecho de fronteiras, o Brexit e o abanão nas relações da União Europeia, parece-nos muito conveniente este pânico criado à volta do Covid-19. Dá que pensar não dá?
Obviamente que não é de relaxar e como mencionamos em cima, é preciso ter cuidados, não devemos ceder ao pânico, tentar conter a propagação, para que voltemos à nossa vida normal rapidamente. Mais uma vez, devemos absorver o que aprendemos nesta fase, sobretudo com cuidados de higiene e manter nas nossas vidas para sempre.

Fontes

Também podes gostar

Deixar comentário

* Ao usar este formulário, você concorda com o armazenamento e o manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler mais

UA-114983103-1